Game e Arte no Projeto Amigos da Criança

Existe uma quarta-feira do mês em que saio muito cedo de casa em direção ao PAC- Projeto Amigos da Criança, uma instituição que atende no contra turno escolar, crianças do bairro de Pirituba, zona norte de São Paulo. Esta é sempre uma quarta-feira especial para mim e sabe por quê? Porque vou dar aulas de videogames para crianças e adolescentes de 08 á 14 anos, que têm pouco, ou, quase nenhum acesso às novidades da indústria de games.

Na verdade, essas crianças não estão muito ligadas nos últimos lançamentos, elas jogam e vibram muito com os clássicos do PlayStation 1 e os jogos de celular gratuitos espalhados pelas lojas virtuais.



As 8h30 da manhã antes do início da primeira turma PAC - CCA

A felicidade que me toma às 8h30 da manhã quando a aula começa, não está ligada simplesmente ao fato de proporcionarmos o acesso de experiências de jogos bacanas para essa galera, mas, porque é alí vemos o quanto este trabalho que lutamos há tanto tempo faz sentido. É no PAC que estamos construindo a cada degrau, um espaço de conhecimento, autonomia e protagonismo.

Para inaugurar a sessão "Histórias", vamos contar a você sobre o último mês em que estivemos no PAC e, especialmente, sobre a reflexão de um guri que aqui chamaremos de "Edu", dividiu conosco.


Mas na vida real não dá né, tia?


Edu é da turma juvenil do período da tarde. Ele é um dos mais altos entre seus colegas de turma, e, por isso, é bastante respeitado pelos demais. Além, claro, de ser um líder nato nas ações e diálogos entre xs colegas.

Ao iniciar nossa oficina Edu é um dos primeiros a sentar no tatame azul, local em que nos concentramos antes da vivência com os jogos para conversarmos sobre os objetivos do dia e depois, para avaliarmos como nos saímos diante das dificuldades e possibilidades da experiência.

Edu foi logo solicitando o silêncio da turma, pois já sacou que "Quanto mais a gente fala, menos a gente joga!". Infelizmente temos apenas 50 minutos de oficina, o que é pouco para uma oficina realizada uma vez ao mês, mas é o suficiente pra que o Edu organize seus amigxs para o bate-papo inicial.

Então eu comecei:

- E ai galera, tudo beleza com vocês? Todxs sem demora respondem:

- Tudo beleza, Tainá! Eu sigo:

- Hoje a atividade não será uma competição pessoal, para desafiar seus limites e sua concentração, como no mês passado. Hoje vamos cooperar em grup..... antes mesmo que eu pudesse terminar a palavra, o Edu completa:

- Trabalhar em grupo!

- Isso! Tá ligeiro em Edu. Eu respondo e continuo.

- Vamos pensar juntxs, resolver problemas juntxs. Vocês já ouviram falar sobre jogos de puzzle? E eis que os rostos de estranhamento contorcem caretas dignas de uma foto.

- Já ouviram falar nessa palavra: PUZZLE? Cabeças em negativa balançam num coro.

- Pois sim, podemos falar que existem vários gêneros de jogos, certo? E que alguns gêneros se misturam em vários deles. Por exemplo... o que você estão jogando agora?

- Minecraft! GTA!. Sim, quase todxs elxs, não importa a idade, jogam GTA e adoram.

- Então, que gênero de jogo vocês acham que é ou tem no GTA- ação, adventure, RPG?

- Eu acho que é ação e corrida. Diz o Edu.

- Se liga, é RPG, meu. Fala um amigo no fundo da sala.

- Então, o GTA é uma mistura de vários gêneros. Mas é fato que não é um jogo de PUZZLE.

- E o que é esse puzzle então, tia? questiona uma guria.

- Puzzle são jogos de enigmas, quebra-cabeça(definição superficial), em que precisamos usar nosso raciocínio lógico para resolver problemas e poder seguir adiante com a personagem. E hoje nós vamos jogar apenas com um controle, que irá passar a cada 3 minutos de um jogador(a) para o outrx dentro dos dois grupos que irei formar. Nosso objetivo é trabalhar em grupo para resolver os pequenos problemas do caminho e chegar o mais longe possível com nossa personagem, ok?


Objetivos e comandos do controle explicados, grupos formados e a atividade se inicia. Edu fica feliz pois está junto de dois dos seus amigos. Acha que irá se dar bem com seu grupo e já anuncia vitória antecipada para o grupo alheio:

- Vamos chegar mais longêeeee!

O jogo é o Limbo, da desenvolvedora Playdead e, antes de começar todxs parecem aflitos com a arte misteriosa e o clima de suspense da primeira tela. Os primeiros problemas vão surgindo no jogo e ambos os grupos começam a complexa missão de trabalhar em grupo. O Edu já sacando como aquilo poderia ser, organiza seu grupo de modo que todos joguem auxiliando na resolução dos problemas. Eu fico na mediação dos grupos, pontuando o que deixaram ou não de observar, estimulando-xs no como pensar juntos, recheada é claro, de caras e bocas, como me é peculiar. Elxs riem muito das caretas quando percebem que elas indicam algo que ainda não viram e conseguem solucionar o problema. E este é o momento de êxtase do meu dia, pois elxs se dão conta de que efetivamente sabem e podem trabalhar em equipe.



Fim do tempo de jogo, todxs voltam ao tatame azul para a conversa final e avaliação dos objetivos. De fato o grupo do Edu muito bem organizado foi mais adiante com a personagem, e juntxs, os dois grupos pudemos verificar o que havia acontecido de positivo e negativo na vivência de cada um.


Pela primeira vez, depois de 5 meses, elxs tomaram consciência sobre as possibilidades que o jogo pode nos dar para refletirmos a vida, nossa atitudes e como podemos ser bons se trabalharmos juntxs. Edu disse:

- Aqui a gente pode errar e morrer várias vezes, mas na vida real não dá né, tia? E eu, com muito cuidado e certa angústia, para não ser pessimista ou otimista demais, respondi:

- É Edu, o jogo ensina pra gente a ser persistente. Na vida a gente erra bastante sim, afinal, ainda não dá pra morrer várias vezes...rsrsrs todxs riem. Mas é interessante pensar que juntxs vocês erraram e acertaram bastante também com um objetivo em comum, chegarem o mais longe possível juntxs. Então, parabéns pra todxs vocês hoje!


O dia termina e Edu e mais dois colegas desmontam os equipamentos comigo e me ajudam a levar até o carro. E no fim..

- Obrigada, gente! Eu agradeço.

- Tomara que o mês passe logo pra você voltar! Edu me emociona mais uma vez e dá-me um abraço de tchau.



0 visualização

Agende conosco sua próxima atividade!

 

Obrigada e Obrigado!

Tainá Felix

Jaderson Souza

contato@gamearte.art.br

gamearte.art.br

(11) 97189-6701 :: Tainá

(11) 96381-0685 :: Jaderson